sábado, 17 de novembro de 2012

Que tipo de ovos você gosta?

"
You're so lost, you don't even know what kind of eggs you like.
- Yes. Yes! - What?
That's right. 
With the priest, you wanted scrambled.
With the Dead Head, it was fried.
With the bug guy, it was poached.
Now it's like, "Oh, egg whites only. Thank you very much.
" Noiva em Fuga

Onde muitos pensam apenas no filme, eu penso nas mensagens. A maioria dos textos e filmes possuem, se você realmente se interessar, inúmeras pequenas lições de vida. As citações de hoje são do filme "Noiva em Fuga" com a Julia Roberts e Richard Gere e refletem um tema interessante na vida: incapacidade de decidir, paralisado pela dúvida, na expectativa de agradar todo mundo.

Penso que todos nós já vivemos o dilema de equacionar diversas situações, buscando que todos ficassem satisfeitos. Esse é o problema, quando fazemos isso acabamos não agradando a ninguém, principalmente a nós mesmos. O que fazer então?

Escolhas nunca são fáceis. Sempre reside o medo de se arrepender do julgamento, de atrapalhar alguma coisa em nossa vida ou simplesmente de sairmos de nossa zona de conforto. Creio que a maioria das pessoas acabam não vivendo, transitam pela vida, porque tem medo de ousar, ou melhor dizendo, tem medo de ser feliz.

Veja, eu não estou dizendo que ousar é fazer algo, muito pelo contrário, muitas vezes ousar é decidir que não se quer algo e assumir para si mesmo que esta é a escolha desejada. As pessoas, normalmente, se perguntam: E se eu estiver errado? Simples, siga em frente, aprenda com suas escolhas e na próxima experiência quando for decidir, dedique o tempo devido para chegar a sua conclusão.

Creio que o maior pecado, é permanecer em sua zona de conforto, cego para o que se apresenta ao seu redor, pensando que o mundo não continua em movimento e as coisas vão permanecer como estão, porque não vão. Eu, costumo demorar a tomar minhas decisões, aprendi a fazer isso, ao longo dos anos, para ter certeza que uma vez decidido não teria que rever minha posição. 

Mas o mais importante, acima de tudo, é saber do que se gosta e o que de fato se quer. Recomendo que não se navegue por mares tortuosos, onde só se descobre o que deseja e precisa, quando não se pode mais ter. Muitos escolhem esta forma de aprendizado, eu já prefiro não ter de passar por tamanha emoção.

Quanto aos ovos, Eu gosto de fritos ou mexidos, e você ?

"
Maggie Carpenter: Benedict.
Maggie Carpenter:
I love Eggs Benedict, I hate every other kind. I hate big weddings with everybody staring. I'd like to get married on a weekday while everybody's at work. And when I ride off into the sunset, I want my own horse. " Noiva em Fuga

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Can you take me Higher?


"
Can you take me Higher?
To a place where blind men see
Can you take me Higher?
To a place with golden streets
" Higher - Creed

Bem, estou de volta. Creio que muita coisa aconteceu e ainda está para acontecer na minha vida até o final deste ano. Meu mundo, realmente, não é mais o mesmo e confesso que isso é bom. A dor inevitavelmente mostra que estamos vivos e nos ensina, se estivermos dispostos a ouvir.

Meu pai faleceu em julho deste ano e confesso que além de inesperado, foi doloroso. É muito duro perder de uma hora para outra aqueles que amamos e que de forma pura e altruísta nos amam também. Além de um homem de moral ilibada, culto, sensível, foi um excelente pai, marido e amigo. Sim, meu pai foi, talvez, o meu melhor amigo, conselheiro, mentor, enfim uma perda irreparável.

Mas ele sempre me ensinou, como pessoa plenamente espiritualizada que era, que todos temos nossos ciclos, ou como ele mesmo dizia, nossos resgates espirituais. Dito isso, não gostaria que estivesse me lamuriando porque, na verdade, penso que macularia sua memória, já que sua vida foi recheada de realizações e superações, sintetizado no cumprimento do ciclo da vida: Plantou sua árvore, escreveu um livro e teve filhos.

Se há uma coisa que sempre admirei nele é que sempre foi sincero em suas opiniões. Isso não quer dizer que concordássemos sempre, muito pelo contrário, diria que em certos tópicos discordávamos bastante, mas sempre respeitou minhas decisões e mesmo quando o tempo mostrava que eu estava errado, sempre tive nele um ombro amigo. 

Talvez, seja por isso que esteja escrevendo este post de hoje, creio que se estivesse conversando com ele sobre o que se passa neste momento em minha cabeça ele diria : "Meu filho, resgate até onde der e depois siga em frente, mas seja como for, preste atenção nos detalhes, porque eles nos mostram muito". Creio que tenho prestado pouca atenção neles ou simplesmente não queira admitir que estão lá.

Seja como for, algumas mudanças, como disse, ocorrerão inevitavelmente nos meses que estão por vir e espero usar de toda minha percepção para saber como decidir quando o momento chegar. Por mais duro que este ano tenha sido, não posso negar que me trouxe agradáveis surpresas, seja profissionalmente, seja no plano pessoal, reforçando o ciclo natural da vida de constante renovação.

Escolhi como citação de hoje uma canção do Creed. O vocalista da banda tem um tom de voz igual ao do vocalista do Pearl Jam e quando conheci a banda foi exatamente porque confundi quem estava cantando. Bom, o importante é que esta música é muito bonita e apropriada para o momento que estou passando. No caso dos meus pais, diria que a pergunta do post já foi respondida há mais de 40 anos. Quanto a mim, continuo esperando encontrar a resposta.

Obrigado, meu pai, agradeço pelo homem que me fez ser hoje. 

Ouçam a canção, vale a pena. Até o próximo post.

"
The only difference is
To let love replace all our hate
...
Up high I feel like I'm alive for the very first time
Still up high I'm strong enough to take these dreams
And make them mine
Higher - Creed

terça-feira, 2 de outubro de 2012

E quando bate a saudade ?


"
Doctor Marcia Fieldstone:   Tell me what was so special about your wife?
Sam Baldwin:                     Well, how long is your program?
                                          Well, it was a million tiny little things that, when you added them all up, they meant we were supposed to be together... and I knew it. I knew it the very first time I touched her. It was like coming home... only to no home I'd ever known... I was just taking her hand to help her out of a car and I knew. It was like... magic.
" Sintonia do Amor

Uma vez me perguntaram quando você sabe que está com a pessoa certa? Como sabe que esta pessoa é que te faz ser melhor, que faz teus dias mais bonitos, que auxilia teus sonhos a se concretizarem e traz um novo sentido a tua vida? Quando você sabe que está realmente pronto para um relacionamento ?

Tive que me remeter a minha fase adolescente, mais exatamente 1993, para buscar esta resposta. Revendo o filme "Sintonia do Amor" com ninguém menos do que Meg Ryan e Tom Hanks, me deparei com a citação acima que sintetiza com perfeição cirúrgica a questão.

Lembro-me que este filme causou lágrimas e muitos suspiros na época. Esta conversa, que ocorre num talk show no rádio, ficou marcada como uma das mais românticas declarações de Amor. Sam cuja mulher faleceu não consegue superar a perda do amor de sua vida e seu filho, preocupado, pede auxílio a uma terapeuta de um famoso programa.

Mais do que a comoção causada pela declaração, a repercussão em todos os EUA é enorme porque muitas mulheres passam a querer sair com Sam. Entre elas, é claro, a personagem de Meg Ryan que vive um relacionamento monótono, mas seguro e está em vias de dar o próximo passo para torná-lo ainda mais sério.

Não preciso me alongar e dizer que, como toda boa comédia romântica da época, após uma série de contratempos Tom Hanks e Meg Ryan terminam juntos após se encontrarem no topo do Empire State Building em Nova York. Sempre acreditei nessas comédias românticas, na essência de encontrar aquela pessoa perfeita e que é atraída para perto de nós das mais inusitadas formas, até mesmo numa casa de tango em plena comemoração da virada do ano.

Mas o tema de hoje, E quando bate a saudade, tem a ver com o que acontece depois do encontro, depois que, passado os primeiros meses de relacionamento advém ou não a rotina. Estava assistindo este fim de semana uma passagem do filme "O espelho tem duas faces" com Barbara Streisand em que ela é uma professora que filosofa sobre a essência do relacionamento, sobre o prazer de se estar emocionalmente envolvido e também como é revigorante estar apaixonado, mesmo que saibamos que tudo isso possa terminar algum dia.

O estranho neste filme é que ela resolve estabelecer uma relação platônica com outro professor, papel este de Jeff Bridges, que tendo passado por vários relacionamentos com mulheres bonitas e fúteis, decide que prefere ter uma relação pautada no equilíbrio intelectual e financeiro, onde o sexo estando fora da equação descomplicaria tudo.

Mas este é o ponto. Não descomplica. A essência de duas pessoas não se limita a equilíbrio intelectual e financeiro, isto serve para relações de trabalho e/ou de amizade tão-somente. Creio que a variável afetiva baseada em carinho, atenção e respeito, carece também do contato físico. Não me veria com uma pessoa se tivesse que limitar algum dos meus elementos sensoriais.

O final deste filme, como toda boa história romântica, é que os dois terminam juntos explorando toda a potencialidade do relacionamento e enxergando que uma relação pautada em coisas em comum, transformou-se numa oportunidade dos dois se permitirem Amar.

A saudade, a que me referi no título, resume-se no compartilhamento das pequenas coisas como um telefonema de "Bom Dia" ou ligar somente para dizer que estava com vontade de ouvir a voz do outro. A rotina que mina os relacionamentos, não é necessariamente pelo tempo que os casais estão juntos mas muitas vezes pela própria dinâmica de nosso dia a dia que sendo cheia de atribulações acaba ocupando nossa mente e mudando nossos hábitos.

E quando bate a saudade? Quando bate a saudade, pegue o telefone, ao invés de esperar que o outro faça, mande flores, cartas, um bilhete (ainda que seja num papel de pão) dizendo que está sentindo falta. Não espere só do outro que exista o estímulo da relação pois, cabe também a você mostrar que estes pequenos mimos fazem falta ao dois.

Se você acredita na sua relação, se acha que ela realmente vale a pena, transforme sua saudade em ação e impeça que caia na rotina.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Dark Knight

"
James Gordon Jr.: Why's he running, Dad?
Lt. James Gordon: Because we have to chase him.
James Gordon Jr.: He didn't do anything wrong.
Lt. James Gordon: Because he's the hero Gotham deserves,
                             but not the one it needs right now. So we'll hunt him.
                             Because he can take it. Because he's not our hero.
                             He's a silent guardian, a watchful protector.
                             A dark knight. " Dark Knight

Um dia  me perguntaram o porquê de habitualmente colocar citações em meus textos e se isso possui algum significado. A resposta é simples: Muitas vezes a citação é o norte do texto e claramente me direciona para a escrita mais correta e apropriada do tema a ser abordado.

As de hoje, retiradas do filme Cavaleiro das Trevas, abordam um princípio que procuro seguir e passar como referência àqueles que convivem comigo seja como amigo, seja como profissional. Ele anda perdido, está sendo usado de forma inadequada e é usado por muitos, apenas em aparência, para vender uma falsa imagem de retidão. Chama-se coerência.

Coerência é o exercício contínuo da prática de se fazer o que se fala, demonstrando que honra, valores morais e ética são elementos obrigatórios na condução da vida de cada ser humano. O interessante desta abordagem é que ser coerente traça uma linha com outra característica igualmente relevante: fazer o que é certo.

Creio que isso acaba nos levando a um dilema dos tempos modernos. Fazer o que é justo, fazer o que é certo ou apenas atuar e "sair bem na foto"? Lembro-me de um filme que assisti há muitos anos e que é baseado numa peça de teatro inglesa. Cadete Winslow tem a citação abaixo que acho impactante e cuja conduta referenciada procuro seguir:
"
Sir Robert Morton: I wept today because right had been done. 
Catherine Winslow: Not justice?
Sir Robert Morton: No, not justice. Right. 

                               Easy to do justice
.                              Very hard to do right." The Winslow boy

Este texto do post de hoje (na verdade do dia 25/07 e que foi interrompido pelas fatalidades que muitas vezes a vida nos reserva) parece um presságio do que viria a acontecer semanas mais tarde, provando, mais uma vez, que aquilo que molda de verdade um homem, é sua capacidade de analisar cada situação e habilidade de decidir baseado no que importa para o bem comum, o todo, e não apenas baseado no que, em tese, satisfaria seu ego, em outras palavras, o exercício, pleno, de sua capacidade de resiliência.

"Tolerar o tolerável é fácil, meu filho, difícil é tolerar o intolerável". Meu pai costumava me dizer isso quando eu reclamava de alguma situação adversa ou na qual me sentisse injustiçado. Ele, pessoa elevadíssima espiritualmente, sabia melhor que eu que a vida nos traz provações que devemos suportar e superar na certeza de nos tornamos pessoas melhores para os outros e para nós mesmos.

Seja como for, tenho percebido, ao longo dos anos que algumas pessoas tem seu destino traçado, necessariamente, para se confrontar com as mais adversas situações e a resposta simples para isso é: Porque elas podem, porque elas aguentam. Tenho para mim, assim como citou Don Vito Corleone, que: "Cada pessoa tem apenas um destino" e que não adianta fugir dele, é necessário se preparar e se moldar para abraçá-lo.

No saldo final, devemos buscar o nosso equilíbrio e também o equilíbrio com nosso entorno, na busca não do reconhecimento e aceitação incondicional, posto que isto é impossível, mas na busca da harmonização de nossas vidas.

"
You either die a hero
or you live long enough to see yourself become the villain
" Harvey Dent

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O brilho de cada um

"
Srta. Bertrand : Eu o segui. Queria agradecer.  
Pignon            : Não tem por quê.
Srta. Bertrand : E pedir desculpas.
Pignon            : Por quê?
Srta. Bertrand : Nesses 6 anos, eu o vi como alguém, sem graça, 
                          sem coragem, sem nada.
Pignon            : Não se desculpe, todos pensavam assim.
Srta. Bertrand : Um dia, aparece numa foto, de bunda de fora, com um gay.
                        Alguns se surpreenderam, outros riram, e eu pensei:
                        "O safado deu um jeito de manter o emprego".
Pignon            :  E você tinha razão.
Srta. Bertrand : Não, eu estava enganada.
                        Foi esperteza talvez, mas você não é sem graça.
                        Você é uma pessoa legal.
                        Convencê-lo seria uma maneira de agradecer.
" O Closet 

A primeira vez que assisti a comédia francesa "O Closet" fiquei surpreso com a história e ao mesmo tempo contente. Era uma das primeiras vezes que uma história abordava de uma forma tão clara e contundente a maneira como o ser humano se enxerga e mostrava como esta análise influencia completamente como os outros passam a te ver.

Todos nós temos um brilho interior. Se ele é mais forte ou mais fraco, se ofusca o brilho dos outros ou se é tão intenso que incomoda aos invejosos de plantão, depende exclusivamente de nós. Creio que algumas pessoas por medo ou até por desconhecimento renegam o seu direito sagrado e porque não dizer, dom natural de brilhar.

Uma vez me perguntaram o que vejo em uma pessoa que me atrai. Seja apenas amizade ou uma paixão, o que me chama atenção é a energia e o brilho interior. Tenho um olho clínico, digo isso sem falsa modéstia, para perceber quem vale a pena e posso afirmar que através do olhar posso enxergar a alma e por isso consigo no "arriar das malas" dizer se uma pessoa é especial ou não.

Mas infelizmente este processo de autoestima e amor próprio é um processo solitário e que independe de elogios e de você exaltar as virtudes de uma pessoa. Existe um processo de catarse que muitas vezes é lento e que somente quando atinge o nível certo de maturação é que possibilita o processo de mudança.

Minha mãe costumava me dizer que se nós não gostarmos e valorizarmos a nós mesmos é improvável que alguém nos admire, respeite e consequentemente nos ame. Sábia como sempre, seu diagnóstco é perfeito e retrata a realidade e traduz a necessidade de exercitarmos todos os dias, nossas virtudes e pontos fortes e trabalharmos nossos pontos fracos, de forma a apararmos as arestas em busca de nosso equilíbrio interior.

E creio que assim deveriamos conduzir a vida: Buscando extrair de cada um que nos rodeia o que há de melhor, ajudando a melhorar, evoluir, ser mais feliz e cheio de vida, do que desperdiçar o tempo apontando defeitos e criticando, quando sabemos que todos precisamos melhorar e nos aprimorar sempre.

A foto do post de hoje foi tirada no Magic Kingdom em Orlando. Lá, um mundo de fantasia, onde todos nós voltamos a ser crianças pude perceber como, quando as pessoas se unem num propósito comum, cria-se uma onda positiva de energia que nos contagia. O momento registrado é exatamente o momento da chuva de fogos que basicamente encerra as atividades do dia.

Poderia dizer que o brilho que clareou o céu foi o mesmo que iluminou cada um de nossos corações. Deveriamos viver este tipo de momento e experimentar esta energia intensa não num reino encantado, mas em todos os nossos dias.

Tão certa quanto esta análise é o fato que existem pessoas com quem nos relacionamos que tem a capacidade de extrair o melhor de uma pessoa e outras, por incrível que pareça, o que há de pior. Sérgio mallandro bem definiria: O homem pipa e o homem âncora.

Brincadeiras a parte, a verdade é que é mais ou menos isso, ou seja, devemos nos cercar de pessoas que nos permitam potencializar tudo que há de bom, ajudando a aumentar nosso brilho. Vamos nos exercitar para nos tornarmos este tipo de pessoa. Que tal?

Até o próximo post.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

There is no spoon



" Perhaps we are asking the wrong questions" Agent Brown - Matrix

Estou de volta depois de quase um mês em silêncio e como alguns dos seguidores deste blog reclamaram do hiato, aqui estou eu novamente escrevendo sobre a vida, seja a minha ou a de qualquer outra pessoa, traduzindo em palavras, crônicas do nosso cotidiano.

Estive fora do País e finalmente conheci os Estados Unidos. Mais uma vez viajei sozinho como tem sido minha rotina nos últimos 4 anos e pude com isso refletir sobre minha vida, sobre os rumos do mundo e meu papel nisso tudo. Acho que os períodos em que passo em silêncio servem imensamente para minha reflexão e como um grande amigo mencionou, estes momentos servem, acima de tudo, para aperfeiçoar meu autoconhecimento.

Tirei a foto acima no Central Park em Nova York e quando vi a cena, não pude deixar passar a oportunidade de registrar o momento em que as crianças estavam se divertindo em cima da escultura que apresenta os personagens de Alice no País das Maravilhas.

Neste momento dois pensamentos vieram na minha mente: O primeiro, inevitavelmente, do filme Matrix sobre a cena em que Neo vai consultar o Oráculo e descobrir se é o escolhido. O segundo, muito menos complexo, tem a ver com o fato de como as crianças conseguem se divertir com pouca coisa, como são capazes de, em sua inocência, simplificar a vida, longe das mazelas e preocupações que a vida adulta nos impõe, nos afastando de nosso lado criança que eu julgo tão fundamental para se ter uma vida melhor e mais feliz.

Voltando a falar da cena de Matrix, Neo se encontra na sala de espera com um menino que está entortando uma colher apenas com a força da mente. A citação do fim do post é a exata conversa entre eles e para não me estender muito peço que leiam ao invés de repetir tudo aqui de novo. O ponto interessante desta citação é que a mensagem passada, pelo menos para mim, é de que na medida que nós aprendemos a flexibilizar nossos pensamentos, ações, gestos e atitudes, conseguimos entender melhor as coisas, nos ajustar melhor as realidades, ao invés de esperar que tudo se ajuste as nossas vontades. 

O interessante desta cena é que uma criança é quem ensina um adulto e não o contrário, ou seja, a simplicidade e as simplificações que só as crianças são capazes de fazer, isentas de vícios, vaidades e preconceitos é que permitem moldar as situações e achar uma forma mais maleável para se lidar com o mundo. Por isso, julgo tão importante mantermos sempre o espírito de criança dentro de nós e procurar nunca perder esta referência.

E para terminar uma reflexão importante sobre a vida: Como obter as respostas certas, se fizermos as perguntas erradas? Mais difícil do que esgotar este assunto é admitir nossa incapacidade de querer enfrentar a realidade dos fatos ou a dureza das decisões. Tudo na vida se inicia com um primeiro passo e isso é mais ou menos como andar numa montanha russa, feito o primeiro movimento a Física se encarregará do resto e os demais passos ocorrerão de forma natural.

Olhando esta foto e refletindo sobre tudo que posso aprender, fica para mim o desejo e exercício de simplificar as coisas e com isso me tornar ainda mais maleável. Talvez esse seja um exercício que todos nós devamos fazer e se for muito difícil basta observar novamente como se portam as crianças e aprender com elas.
"
Spoon boy: Do not try and bend the spoon. 
                   That's impossible. Instead... only try to realize the truth.
Neo:           What truth?
Spoon boy: There is no spoon.
Neo:            There is no spoon?
Spoon boy: Then you'll see, that it is not the spoon that bends, 
                   it is only yourself.                                                          " Matrix

terça-feira, 29 de maio de 2012

Einundvierzig

"
Mas eu preciso de outros sapatos
De outras roupas, outros temperos
Para formar minhas ideias e meus sentimentos
Eu sou a soma de tudo que vejo
E minha casa é um espelho
Onde a noite eu me deito e sonho com as coisas mais loucas
Sem saber porque
" Meu Reino - Biquini Cavadão.

Adoro esta música e penso que é a perfeita citação para o dia de hoje. O dia de nosso nascimento, quando mais um ciclo se encerra e outro começa, é o exato momento de reflexão e de planejamento da nova fase de nossas vidas.

É aquele momento em que fazemos um balanço de tudo que aconteceu, vemos o saldo (se positivo ou não) e decidimos o que fazer, o que deixar de fazer, em que investir e onde também ponderamos sobre o que é melhor parar de insistir e o que devemos deixar como está. E é ai que a citação se encaixa perfeitamente, porque expressa que, em algumas fases da vida, precisamos renovar a roupagem de nossa alma antes de seguir em frente.

Este da foto, acreditem ou não, sou eu quando era mais jovem (bem mais jovem) e não consigo dizer quantas roupagens eu já troquei até chegar até aqui. Apenas posso dizer, que não importa quantas foram e sim que todas me serviram bem e que quando chegou o momento de substituí-las, me desfiz delas sem apego ao ciclo que se encerrou. A vida é feita de ciclos e renovações, isto promove um conjunto de mudanças necessárias que nos enche novamente de propósitos.

Será a terceira vez, em toda minha vida, que passarei meu aniversário longe daqueles que amo. Não, não estou melancólico ou saudoso, porque aqueles que amo residem em meu coração e em meus pensamentos e estão ao meu lado onde quer que eu vá. Além disso, a vida sempre me brindou com amigos onde quer que eu estivesse e assim, amanhã estarei, com alguns deles, jantando em celebração a mais um ano de existência.

A vida sempre foi muito generosa comigo e se fechar o saldo agora do ano que passou, terei de reconhecer que foi mais do que positivo. Irei até mais longe, a vida tem sido extremamente generosa ao longo destes anos e tenho de fato pouco do que reclamar. Isto não quer dizer que não tive momentos menos alegres, mas mesmo nestes, a vida me provou uma máxima que em novembro de 2010 minha mãe me ensinaria: TUDO PASSA.

Creio que todos nós temos um destino, ainda que permeando nosso pré-destino, e devemos sempre acreditar em nossos instintos e também no princípio de que nossa sorte, nós mesmos fazemos. Olho para este novo horizonte na certeza de que um universo de novos desafios e surpresas boas estão programadas para acontecer. Umas mais cedo, outras mais tarde, mas inevitavelmente fadadas a acontecer.

Um dia me questionaram se estava no auge de minha carreira e por mais engraçado que seja, afirmei que não. Não porque esteja em busca de cargos ou status, sinceramente julgo isto efêmero e passageiro, mas sim porque acredito que há ainda muito dentro de mim a ser explorado e que eu possa contribuir construtivamente. Creio que, muito mais claro do que há 10 anos, posso entender meu papel na sociedade e o quanto ainda tenho a aprender e a realizar seja profissionalmente, seja no campo pessoal.

Sei, apenas, que os ciclos passam e a maioria dos meus desejos não muda: Ter filhos, continuar a conhecer o mundo, deixar um legado, ao formar pessoas que façam diferença nas áreas que atuam, ter uma vida repleta de amigos, encher a vida de boas lembranças e acima de tudo, ter alguém, só meu, disposta a viver e dividir cada um desses momentos. 

A maioria dos meus desejos são muito simples e a maior parte deles, desprovidos do caráter material e apesar de alguns serem mais demorados do que outros, tenho a plena convicção de que todos irão se realizar porque afinal, tudo é mera questão de tempo. Alguns até poderia dizer que já estão, aparentemente, em andamento.

O mais legal é que, seja como for, sei que se não for neste ciclo, certamente será em um próximo. Vamos ver o que este me reserva, já estou até curioso pelo que está por vir......

"
Pra viver e pra ver
Não é preciso muito
Atenção, a lição
Está em cada gesto
Tá no mar, tá no ar
No brilho dos seus olhos
Eu não quero tudo de uma vez
Eu só tenho um simples desejo 


Hoje eu só quero que o dia termine bem
Hoje eu só quero que o dia termine muito bem
" Simples Desejo - Luciana Mello

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Livre Arbítrio

"
Now I have come to the cross-roads in my life. 
I always knew what the right path was. 
Without exception, I knew, but I never took it. 
You know why? It was too damn hard. 
Now here's Charlie. He's come to the cross-roads. 
He has chosen a path. It's the right path. 
It's a path made of principle that leads to character.

Agora cheguei em uma encruzilhada em minha vida
Eu sempre soube qual era o caminho correto. 
Sem exceção, eu sabia, mas eu nunca o escolhi.
Você sabe o porquê? Era realmente muito difícil.
Agora aqui está Charlie. Ele chegou na encruzilhada.
Ele escolheu um caminho. É o caminho certo.
É o caminho feito de princípios que leva ao caráter."  Scent of a Woman

O Ser humano tem como hábito reclamar de tudo: do mundo, da vida, de como as coisas conspiram contra e desviam do rumo desejado e/ou planejado. Essa inquietação, muitas vezes, saudável e construtiva, se transforma em mera desculpa quando usada de forma recorrente.

Creio que  o caminho mais simples, para a maioria das pessoas, é se fazer de vítima das circunstâncias. Consigo compreender que é sempre mais fácil achar um culpado, do que realizar sua própria culpa, mais simples dizer que não se pode fazer nada, do que agir e assumir o risco de se indispor, mas se fazer o que quer. O ser humano busca o simples, nem sempre o mais correto ou adequado.

Estava esta tarde assistindo a Tv a cabo e pude ver o trecho de dois filmes que compõe as citações do post de hoje: Perfume de Mulher e Gladiador. Em ambos os casos, a escolha ou a falta dela, define o que o destino nos reserva e muito mais preciso do que isso, como nos posicionamos, de fato, ou seja, como reféns ou agentes.

Costumo dizer, também assim aprendi, que existe o destino e o pré-destino.  Pré-destino são aquelas coisas que não podemos alterar e que estão fadadas a acontecer ao longo de nossas vidas. Já o destino, é tudo aquilo neste entorno, que permeará nossa vida ao longo de nossa existência. Este, diferente daquele pode ser alterado a qualquer tempo seja pela nossa ação ou pela falta dela.

Outro pensamento que tenho é que o destino, bota as escolhas em suas mãos, cabendo somente a nós decidir. Se demoramos muito tempo, ele tira de nossas mãos e decide do jeito que ele quiser. Só posso dizer, que nem sempre decidirá de uma forma que nos satisfaça, somente decidirá no sentido de dar sequência e movimento a vida, ciclo natural de nossa existência, em que nada fica estático, ainda que se decida ficar parado vendo a vida passar na sua frente.

O que me traz ao tema de hoje: Livre Arbítrio. Este reside na sua capacidade única e indelegável de decisão. Decida e arque com as consequências de suas escolhas, talvez seja o verdadeiro dilema. Creio que dá medo decidir e poder errar, mas para mim, pobre mortal, muito mais medo me dá, em me omitir. Gosto da idéia de viver sobre minhas regras, minhas escolhas, meus erros e acertos.

Sei que haverá um momento em minha vida, onde no meu último suspiro, todos os momentos que vivi passarão na frente dos meus olhos. Neste singelo momento, onde só eu e minha consciência estaremos presentes, gostaria de lembrar de uma vida cheia de prazeres, de escolhas, de alegrias e tristezas, mas mais do que tudo, repleta de intensidade e emoções. Quero que neste momento, possa olhar para mim com o orgulho de quem viveu a vida que escolheu e não aquela que escolheram para mim.

Sei que este momento único será somente meu, mas quero ter a certeza de que a vida valeu a pena, de que não me arrependi de estar aqui e mais do que tudo, de que deixei minhas marcas e lembranças em todos aqueles com quem dividi, mesmo que por alguns segundos, a minha existência.

Santo Livre Arbítrio !!! Quantas escolha a fazer e tão pouco tempo....

"
what we do in life echoes in eternity

O que fazemos na vida ecoa pela eternidade" Gladiator

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Caminhando nas Nuvens

"
You must see it through. Your fate. 
What brought you here. " Guadalupe Aragon: - Caminhando nas Nuvens

Sempre gostei de comédias românticas e romances e creio que, em breve, irei visitar a locação da mais marcante comédia romântica de minha juventude. Mas falando de romances, assistia ontem um filme que acho muito bonito e que marcou uma fase especial de minha vida: Caminhando nas Nuvens.

A história gira em torno de uma família que possui uma vinícola chamada "Las Nubes". Os personagens principais se conhecem em um ônibus. Paul viaja pelo país depois de retornar da guerra e tenta se adaptar a  sua nova realidade como vendedor de chocolates finos. Victoria regressa para a casa de suas famílias trazendo um segredo: Uma gravidez.

Victoria vindo de uma família tradicional mexicana e conservadora, depara-se com um dilema de enfrentar sua família e principalmente seu pai e a necessidade de explicar seu retorno e mais do que isso, uma gravidez sem estar casada. Paul, ao ficar a par do fato, propõe ajudá-la a superar este momento e vai com ela até "Las Nubes" como se fora seu marido. Obviamente, como em todo bom romance, os dois, de fato, se apaixonam e por fim acabam juntos.

Fora o fato de que a fotografia do filme é linda, assim como suas locações, o filme possui outras mensagens extremamente relevantes, que são: amor, compreensão e principalmente valores familiares. Acho engraçado como a vida imita a arte e vice-versa, porque em vários momentos percebi alguns personagens como imagem e semelhança de pessoas do meu círculo próximo e porque não, de mim mesmo.

O filme tem como foco central a relação Pai e Filha. Alberto Aragon, o pai, reluta em aceitar um marido que aparece em sua casa sem jamais ter sido mencionado pela filha e devido a preocupação com esta , que entende ser ingênua, sensível  e vulnerável, trata o romance e porque não dizer Paul com desconfiança e por vezes indiferença. Os avós de Victoria, percebem desde o início o bem que Paul faz a sua neta e apoiam e fazem de tudo para inserí-lo na família e numa cena muito bonita do filme, ele incentiva Paul a fazer uma serenata.

Quando visualizo estas várias cenas do filme, se traçar um paralelo e tentar entender a postura do pai e sua relação com sua filha, tudo fica claro e simples. Um pai, ama seus filhos, mas creio que a relação pai-filha sempre é uma relação especial e ao me colocar no lugar do Sr. Aragon posso entender suas preocupações. Ele está nitidamente preocupado que Paul esteja usando apenas sua filha e se aproveitando de sua fragilidade e ingenuidade e como pensar diferente? Um pai daria sua vida por seus filhos e neste caso não vejo como ser diferente.

Já os avós, percebendo como sua neta esta feliz e com alguém que a faz feliz, que a respeita, admira, procuram balancear a situação e explorar as pequenas particularidade e valores do novo membro da família. Existe uma cena em que Paul conversa com Sr. Aragon e que ele o manda embora, dizendo que ele não serve para sua filha e Paul responde "and I quote" :

Paul Sutton: She's like the air to me.

Os pais, muitas vezes, superprotegem os filhos, achando que com isso evitarão que eles tenha frustrações e/ou dificuldades. Infelizmente ou felizmente, cada um tem um destino e não podemos evitar isso. Erros e acertos fazem de nós o que somos e acredito que nada ocorre por acaso e que no final tudo nos leva para um bom caminho. Às vezes, creio que os pais deveriam ter um pouco mais de fé nos seus filhos, afinal foram  eles que nos educaram, não foi? E assim sendo, aproveito outra citação relevante do filme:

Paul: I know that she is good and strong and deserves all the love this world has to give. Can't you see that, how wonderful, how special she is?

A família é nosso alicerce e eu não imagino a vida sem ela. Nos da base, chão, norte. Mas chega um momento em que nós temos de dar nossos próprios passos, tomar nossas próprias decisões e saber que teremos que arcar com nossas escolhas. Não estou preocupado, nem nenhum de vocês deveria, se nossos pais no educaram bem (os meus, educaram), não podermos nos sair tão mal assim.

Alberto Aragon: Just because I talk with an accent doesn't mean I think with an accent.

Quando algo maravilhoso acontece, devemos celebrar, eu sei que dá medo e às vezes gera desconfiança, mas no final, acredito que todos temos direito de ser felizes e nos sentir como Paul:

Caminhando nas nuvens.................

"
This is not a story
This is not a book this is your life
And this is not a play
Some TV show you've seen
This is real life
You know that
This is your this is your life
This is real this is reallife
There is no rehearsal" -
This is Your Life - Banderas

terça-feira, 8 de maio de 2012

Aquela que é forte

"
I know it's not much but it's the best I can do
My gift is my song and this one's for you

And you can tell everybody this is your song
It may be quite simple but now that it's done
I hope you don't mind
I hope you don't mind that I put down in words
How wonderful life is while you're in the world
" Your Song - Elton John

O Amor, muitas vezes, se expressa em silêncio
Através da renúncia,da entrega e da doação
É composto de pequenos gestos
Imperceptíveis, mas mais representativos que mil palavras

O Amor enxerga aquilo que há de mais belo e puro
Busca a essência, é companheiro, amigo, cúmplice e verdadeiro
Respeita o tempo das coisas, assim como o jardineiro
que respeita o semear e o florescer.

O Amor é altruísta
Se completa com a felicidade e realização do outro
Sabe compartilhar os momentos, dividí-los
É protetor, reconfortante, seu porto seguro.
Embala seu sono, acalma o coração.

O Amor tem nome, endereço, CPF, identidade 
Conforta, acolhe, regozija, é obstinado, libertador
É, também, único e por isso, não possui substituto
Meu Amor é você.

São Paulo 06/05/2012

"
Pardonnez mes lèvres: 
elles trouvent du plaisir dans les endroits les plus inattendus

Perdoe meus lábios:
eles encontram prazer nos lugares mais inesperados
" - Max Skinner

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Esperança


"
Nós não deveríamos deixar que nossos medos 
nos impedissem de ter nossas esperanças. " John Fitzgerald Kennedy

Eu acredito em você e em cada uma das coisas que é capaz de realizar e nisso reside minha esperança e a minha certeza, porque a capacidade de superação e de encontrar respostas e soluções é infinita. Esta semana me pediram para escrever sobre esperança e não poderiam ter escolhido tema melhor porque, o que seria de nós sem esperança?

Naqueles momentos em que nos encontramos aparentemente perdidos, onde tudo parece desmoronar e sair do eixo, naquela fração de segundo em que tudo parece perder o sentido, é que devemos recobrar a esperança e mais do que isso a certeza que sempre existe um novo amanhã.

Para cada provação, cada adversidade na vida existe um porquê. Li uma vez que o ser humano carrega um saco de tijolos e que, às vezes, se não aprendemos a dividir o fardo, o saco fica tão pesado que chegamos a conclusão que é impossível prosseguir, que não há mais nada a fazer, que só nos resta aceitar o nosso destino.

Não compartilho desta opinião, de que é impossível prosseguir, e diria mais, minha visão é completamente oposta. O saco de tijolos nada mais é do que todos nossos medos, receios, frustrações, tudo aquilo que ao invés de enfrentarmos, varremos para debaixo do tapete, simplesmente acreditando que se fingirmos que não existem, tudo ficará bem e se resolverá sozinho. Sim, eu tenho esperança, mais do que isso, tenho a certeza de que se decidirmos enfrentar, encarar para ser mais exato, cada um de nossos medos, nossas frustrações e receios, estaremos prontos para realmente enxergar o que a vida nos reserva. E tenho para mim que é sempre algo maravilhoso.

Minha esperança é que haja tempo para percebermos aquilo que queremos a tempo de não perdê-lo. Eu sei que o novo sempre amedronta e que é mais fácil se apegar as desculpas do passado, para justificar os medos do futuro. Mas o nosso futuro só existe se vivemos o presente, se nos permitirmos amar e sermos amados, se decidimos lutar e enfrentar cada uma das adversidades que a vida nos impôs, porque muita vezes são destas provações que necessitamos para sairmos mais forte, mais confiantes e mais verdadeiros com nós mesmos.

Eu já passei por muitas encruzilhadas em minha vida, seja no campo profissional, seja no campo pessoal ou afetivo. Por muitos momentos, minha fé foi abalada e eu questionei a mim e as minhas escolhas, mas inevitavelmente ao tomar as redéas de minha vida e trazer de volta a razão, pude perceber que Deus tem um plano para todos nós. Nada acontece por acaso e nada é de fato ruim, nosso problema é sempre o mesmo: Olhar pontualmente ao invés de olhar em perspectiva.

As pessoas sempre se remetem a fé ou as religiões em busca de respostas, mas estas, posso garantir, estão sempre dentro de nós. Sejam vocês Luteranos, Judeus, Messiânicos, Católicos ou Mulçumanos, a resposta será sempre a mesma, ou seja, que existe um plano reservado para cada um de nós e no momento em que reconhecemos isso e passamos a reprogramar nossa mente e experimentar viver cada dia com esperança, perseverança e construindo um novo amanhã, todas as perguntas para cada uma de nossas dúvidas serão respondidas.

Sempre que penso que posso perder a minha esperança, me remeto a História de Jó. Apesar de não ser católico, respeito cada uma das religiões e entendo que em cada uma delas existe um quê de sabedoria com a qual podemos aprender. Jó, para aqueles que não conhecem a história, era um homem de fé, fiel e temente a Deus que do dia para a noite perde tudo: Mulher, filhos, bens, saúde. Diante de todas as provações, Jó permanece fiel, resignado não se revolta contra Deus, não perde sua fé, não deixa que o infortúnio permita que perca a esperança. Ao final, Deus dá a Jó, em dobro, tudo que havia perdido.

Não contei esta história porque acredito que o ser humano só aprenda na dor, mas porque acredito que é quando somos postos a prova é que surge nossa verdadeira essência, nosso verdadeiro eu, onde podemos em meio ao caos encontrar a ordem, a serenidade, o equilíbrio e a razão. Tire de um homem tudo que ele tem e você verá do que ele é feito e eu acredito que mesmo em meio a perda, somos capazes de sermos generosos, altruístas e demonstrar nossa verdadeira nobreza.

Minha fé hoje reside em você e na esperança de que ao ler este texto perceba que não estamos sozinhos no mundo e que exatamente por isso, nunca devemos desistir ou deixar nossa crença em nós mesmos esmorecer.

Eu nunca vou deixar de acreditar em você, nunca vou perder a Esperança.

"
Eu vejo a vida
Mais clara e farta
Repleta de toda
Satisfação
Que se tem direito
Do firmamento ao chão..
." Tempos Modernos - Lulu Santos

domingo, 22 de abril de 2012

Bacalhau com Almofada de Grelos



“ 
Do nabo sae a nabiza
da nabiza sae o grelo.
Nabo, nabiza e grelo
Trinidade do galego.
Son tres persoas distintas
Un só Deus verdadeiro

Finalmente após 2 meses, aqui vem o texto que havia prometido. Peço aos meus amigos que me perdoem a demora, mas entre uma atribulação aqui e outra ali, alguns temas passaram a frente na minha composição de  posts. Como prometido, tentarei mudar um pouco o tom e desta vez falar de minhas experiências sensoriais ao redor do mundo.

Como muitos sabem, nos últimos 3 anos, viajar e conhecer o mundo tornou-se mais do que um hobby e passou a ser um estilo de vida. Por isso, fiquei pensando que já abordei os mais diversos temas desde que comecei a escrever e explorei muito pouco ou melhor compartilhei muito pouco das experiências que vivi ao longo deste tempo.

Este ano, mais exatamente em fevereiro, fui a Portugal onde, em companhia de amigos queridos e que estão em minha vida há algum tempo, pude, em uma semana, conhecer diversos lugares interessantes como Ovar (a terra do pão de ló), o Porto, Sintra, Cabo da Roca, Lisboa, Fátima, Guimarães, etc. A viagem me reservaria um algo a mais, que foi visitar Santiago de Compostela na Espanha. O que mais me admira no ser humano é quando ele é capaz de inovar e ao invés de necessariamente seguir um script, roteiro ou manual, toma o destino para si e faz o que fazemos de melhor: Improvisar.

Estava em Guimarães, me lembro bem, já pensando no que fazer no Porto pela tarde quando perguntei a que distância ficava Santiago de Compostela. Prontamente, o GPS iria me dizer que em poucas horas ficava o que seria meu próximo destino. Mudando radicalmente meus planos e espremendo minha agenda do dia seguinte, me dirigi rumo a Espanha.

Não preciso dizer que ir a Compostela, entrar na Catedral, ver o Botafumeiro e mais do que isso, absorver a energia positiva do lugar me fizeram muito bem. Para completar, a noite fui, é claro, a um café tradicional da cidade, degustar as Tapas tão tradicionais e tomar um bom vinho da região. Voltei ao hotel bem tarde apenas a ponto de dormir e me preparar para um rápido city tour na cidade do Porto e posteriormente ir a Lisboa na casa de um casal de amigos, muito queridos por sinal, que me acolheriam por alguns dias.

Quando cheguei, já no fim do dia, estavam esperando e programando um jantar num dos restaurantes mais tradicionais da parte alta de Lisboa, a Cervejaria Trindade. Local lotado, fila de espera e enquanto esperávamos, conversamos sobre os pratos deliciosos que o local oferece. Não posso negar que as iguarias lá oferecidas são deliciosas, mas inevitavelmente iria comer um bom bacalhau e o mais inusitado, esta é a graça da história, era escolher os acompanhamentos.....

A primeira vez que degustei um grelo foi este ano em Portugal. Nada como um delicioso bacalhau quentinho, firme e regado num bom azeite, bem molhadinho, hummm dissolve na boca não é mesmo? Mas o que faltava e deu um toque bem especial é a almofada de grelos. Se pensar friamente na composição do prato realmente realizaremos que um combina perfeitamente com o outro e quando bem preparado e trabalhado, o prazer ao final é inevitável, te levará as alturas.

Calma, calma bando de mente suja. Apesar da confusão que os nomes podem gerar em diferentes línguas ou culturas, grelo é um acompanhamento tradicional em Portugal e para aqueles que não tem mais o que fazer, segue abaixo a definição que encontrei no Wikipédia e que encerra a discussão:

"Um grelo (ou o plural grelos) é um nome genérico para um rebento de uma planta, muito apreciado em Portugal e na Galiza como acompanhamento de culinária portuguesa. Os cultivares mais representativos na culinária portuguesa são o nabo, a couve, e a nabiça (também conhecida como colza).

A aparência é a dum talo mais ou menos grosso do qual saem algumas folhas e no extremo as flores.
O grelo é comestível enquanto está tenro. Quando a flor desabrocha o grelo endurece e já não é possível o seu consumo, pois não amolece por muito que se coza."

Não posso negar que ao longo dos dias em que estivemos juntos, sempre que íamos a um restaurante a piada sempre vinha à tona e os risos eram inevitáveis. Brasileiro não perde uma, ainda mais quando envolve duplo sentido.

Para aqueles que ainda duvidam da nobreza das minhas palavras, segue uma foto, tirada pelo meu amigo Fernando, que comprova que um grelo é tão bom e gostoso, que em Portugal você encontra no supermercado e enlatado....

Até o próximo post.



segunda-feira, 2 de abril de 2012

Silêncio e Solidão

"
E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe
" Sutilmente - Skank

Naquele hiato de tempo
Onde, em silêncio, observo o mundo
Sinto-me como uma peça de xadrez
Em um imenso tabuleiro, decidindo meu destino
Tentando prever o próximo movimento.

A solidão deste momento,
Só eu conheço, percebo e vivo
Aquele momento único e singular
Onde livre de todas as dúvidas e medos
Traço a linha da vida e determino onde me levar.

Silêncio e Solidão
Isso não te dá medo? A mim não.
Silente me permito escutar a razão 
Sozinho me obrigo a refletir sobre meus verdadeiros desejos
Naquela fração de segundo onde encontro o perfeito equilíbrio
Que permite eleger o que e quem desejo em minha vida.

Solidão não é estar só,  mas se sentir só, incompleto
E o silêncio que mata é aquele das palavras vazias e vãs
desprovidas de propósito e emoção.

Meu maior medo não reside na solidão
Meu verdadeiro medo é abandonar meus sentimentos
É silenciar meu coração.

"
Is it getting better?
Or do you feel the same?
Will it make it easier on you now?
" One - U2

quarta-feira, 21 de março de 2012

Message in a bottle


"
Walked out this morning, don't believe what I saw
Hundred billion bottles washed up on the shore
Seems I'm not alone at being alone
Hundred billion castaways, looking for a home
" Message in a Bottle - The Police

Eu comecei este Blog em 2010 de forma totalmente despretensiosa e no desejo de preencher meu tempo com histórias, viagens, fatos e momentos que marcaram a minha vida. Sem nunca perder o senso de humor, brinquei até com temas delicados e íntimos, na certeza de que compartilhar parte de sua jornada, de suas alegrias, medos e conquistas pode tocar pessoas que, mesmo sem nenhum laço direto, muitas vezes separadas por continentes, mares, oceanos, precisam apenas perceber que não estão sós no mundo e que outro alguém, já passou, sentiu, viveu a mesma coisa ou ao menos parte daquele momento que estão enfrentado.

Sei que isso não irá trazer a solução para os problemas de ninguém, não tenho esta pretensão, mas penso que seja reconfortante saber que nossas experiências podem ao menos servir para diminuir o fardo que alguém está carregando. 

Estava voltando para casa e escutando o The Police quando me deparei com a citação do post de hoje. Algumas idéias já nascem prontas e apesar de ter prometido para um casal de amigos e a uma amiga escrever um texto cômico ao invés deste mais reflexivo, não pude evitar trocar a ordem da publicação. Prometo que o próximo será o tal post prometido, mas peço a compreensão e que entendam a razão da minha troca.

A canção magistralmente interpretada por Sting relata através de uma metáfora, o fato de que, apesar de acharmos que somos os únicos sozinhos no mundo, muitas vezes abandonados ou perdidos, esta visão é, na realidade, completamente equivocada. A vida não nos apresenta desafios intransponíveis, somos nós, paralisados pelo medo e pelo mau hábito de escolher atalhos ou simplesmente o caminho mais fácil, que preferimos evitar a confrontação que, no final, leva a transposição das provações/obstáculos que surgem de tempos em tempos.

E qual a maior mazela dos nossos dias? O vazio no coração que traz consigo o vazio na alma. E quando penso como num mundo cheio de meios de comunicação, as pessoas estão se tornando cada vez mais incapazes de se comunicar, de forma franca, transparente e sincera, fico triste. O ser humano tem, a cada dia que passa, exercitado como sentir pena de si mesmo, se isolando ao invés de entender que através da interação, podemos dividir o fardo e facilitarmos o processo de cura. 

As doenças que aparecem em grande quantidade, na atualidade, são muitas vezes frutos do processo de sublimação a que nos submetemos e que por somatizarmos nossas emoções, se refletem, inevitavelmente, através de enfermidades como se fossem um pedido de ajuda do nosso próprio organismo.

Creio que as pessoas gastam uma quantidade enorme de energia, pensando como será o futuro que esquecem que este é fruto do que realizamos hoje. Se preocupam tanto com o que perderam (e que não irá mais voltar) que desperdiçam a oportunidade de aproveitar as alternativas que a vida as oferece. E o que me deixa mais triste é que ficam dizendo que o mundo conspira contra, quando, de fato, se tornaram cegas para as opções que brotam ao seu lado.

E depois que perder no caminho,aquilo ou parte daquilo que a vida lhe ofereceu como alternativa, posso apenas afirmar, que não adianta se arrepender e dizer que agora entende o valor das coisas, porque a vida não para e fica esperando que você se decida Se não o fizer, o destino tira esta escolha de suas mãos e decide por você o que bem entender e não adianta se lamuriar depois.

Para encerrar, escolhi a citação abaixo do filme do Adam Sandler, Espanglês. Dizem que me pareço muito com ele e pode até ser verdade. Tenho de confessar que neste filme, não me achei apenas fisicamente parecido mas também me identifiquei muito com o personagem por ele interpretado. O texto abaixo reflete parte da mensagem que tentei passar ao longo do post. Não se apeguem tanto ao cunho de relacionamento da citação, apesar totalmente pertinente e real, mas transponham para outros cenários e realidades e perceberão como ela também se aplica.

Todos nós nascemos e morremos sozinhos, isto é certo, o que cabe a nós escolher, é a forma como iremos viver.... 

"
...
And you will never find someone as good.
There'll only be men who
you know are cheap and shallow...
and have no real warmth in their souls.

You may have gotten by
on those surfaces once but now...
...
you have been spoiled by a good man
." Evelyn Wright - Spanglish (2004) 

sábado, 17 de março de 2012

Calm inside the Storm

"
Medo de fechar a cara, medo de encarar
Medo de calar a boca, medo de escutar
Medo de passar a perna, medo de cair
Medo de fazer de conta, medo de dormir
Medo de se arrepender, medo de deixar por fazer
Medo de se amargurar pelo que não se fez
Medo de perder a vez

Medo de fugir da raia na hora H
Medo de morrer na praia depois de beber o mar
Medo... que dá medo do medo que dá
Miedo... que da miedo del miedo que da" Miedo - Lenine feat Julieta Venegas

Uma professora de redação, Marluce, me disse quando cursava a a primeira série do segundo grau (acho que nem existe mais isso): " Vale mais a pena ficar vermelho um minuto, do que amarelo a vida inteira".

Gostaria de contextualizar esta frase e meu momento de vida. Estava no colégio e minha professora, esta da frase, não gostava de mim. Havíamos discutido sobre um trabalho de poesia que havia feito e que ela presumiu que eu copiei e não fiz, ou seja, me chamou de desonesto por não usar um texto original e meu. Na época, este tema foi levado a um conselho e uma vez que este sabia da minha verve poética, deu a nota mais alta e não preciso dizer que isto criou um clima de animosidade entre nós.

Não vou tecer detalhes se eu me portei da forma mais madura ou não, afinal eu tinha apenas 15 anos na época, mas posso dizer que as coisas não ocorreram da forma mais "siciliana" possível. Anos mais tarde iria aprender como lidar melhor com situações como essa, descobrindo, é claro, a escolher quais batalhas valem a pena ou não lutar e vencer; mas com os hormônios aflorados, certamente era improvável agir da forma mais ponderada.

No momento em que ouvi a frase que mencionei no primeiro parágrafo, retomei meu lugar na história e recuperei a aceitação e aprovação de minha professora. Ocorreu na sala um incidente em que me posicionei  e ao final da aula, ao me pedir para ficar por último na sala, ouvi o provérbio que jamais esqueci e carrego ao longo da vida comigo.

Não vou dizer que não sinto medo, eu sinto. Confesso até que é mais prudente, apesar de todo espiríto empreendedor, que tenhamos a cautela necessária para analisar as decisões e ações que tomamos na vida antes de agir. Tudo que fazemos ou deixamos de fazer afeta a nossa vida e a daqueles que nos rodeiam e acho que seriamos egoístas e imprudentes se não avaliassemos a extensão de nossas escolhas. Mas percebam, há uma diferença entre prudência/ponderação e covardia.

Veja, vocês gostariam de saber qual meu maior medo? Olhar para trás e ver que não vivi. Perguntaram para mim esta semana se sempre fui espiritualizado e com a percepção das coisas que eu tenho. Notem, eu estou longe de ser perfeito e plenamente evoluído ou eu não estaria aqui, mas eu acredito que a gente é composto pelas marcas na areia que deixamos e eu gosto, como já disse em post anterior, de me lembrar de cada uma delas.

Não posso dizer que me orgulhe de tudo que fiz, não me orgulho, mas sei que aprendi com cada uma das lições que a vida me impôs a ponto de afirmar que se eu morresse hoje (calma, calma, vocês ainda vão me aturar por muito tempo, hehehehe) não traria arrependimentos da vida que eu levei. Faltam-me filhos, eu sei,  mas ainda assim sinto que multipliquei, mesmo que de outras formas, parte do que eu sou.

Me perguntaram se é covardia ou fraqueza, sentir medo. Não, não é.Não enfrentar os próprios medos é que é. Escolhi novamente a música do Lenine porque eu acho-a extremamente pertinente e além do mais muito próxima, de como eu enxergo o que é sentir medo. "Medo de se achar sozinho, de perder a rédea, a pose e o prumo, Medo de pedir arrego, medo de vagar sem rumo"

Rumo e calma, este é o enfoque. O medo não deve nos paralisar, não nunca, e por mais paradoxal que seja, deve ser o catalizador para um novo futuro, um novo amanhã, do desejo de superar os obstáculos e da fazer algo ainda melhor. E o mais importante é saber que mesmo nos momentos das maiores incertezas, sempre haverá alguém para segurar nossa mão e nos acompanhar ao longo do caminho.

"
the calm inside a storm
love me a little, love me long
Don't you know
you should be holding me
but you're locked inside
why don't you throw me your keys ?
" Calm Inside the Storm - Cindy Lauper

segunda-feira, 5 de março de 2012

Chegadas e Partidas


 "
Someone like you, and all you know, and how you speak
...
You know that I can use somebody
You know that I can use somebody
Someone like you

Off in the night, while you live it up, I'm off to sleep
Waging wars to shake the poet and the beat
I hope it's gonna make you notice
I hope it's gonna make you notice

Someone like me
Someone like me
Someone like me, somebody
" Use Somebody - King of Leon

Existe um programa da GNT chamado "Chegadas e Partidas" e apesar de eu não gostar muito de sua apresentadora, não posso negar que a idéia de acompanhar os encontros e desencontros em um aeroporto proporciona histórias muito interessantes.

E é  engraçado como muitas vezes só contextualizamos alguma coisa quando ela começa a fazer parte do cotidiano. Tenho o costume, há mais de 3 anos, de viajar pelo mundo ou mesmo dentro do meu País e isso significa dizer que normalmente tem alguém me esperando ou se despedindo de mim e já presenciei os mais diversos tipos de reações tanto na minha chegada como quando partia. 

Mas foi somente quando esta ótica se inverteu, ou seja, era eu quem estava me despedindo ou recebendo é que começei a reparar naqueles pequenos detalhes, que na verdade são muito relevantes, e que passam despercebidos do público em geral.

Antes mesmo de precisar falar de mim, claro que vou colocar meus sentimentos e visões, o que percebi são as mais diversas emoções contidas em cada pessoa ou grupo de pessoas, que está a espera de um funcionário de empresa, de um amigo, de um ente querido ou da pessoa que ama, Foi curioso observar o compartamento de cada uma delas nestes mais diferentes segmentos e das expectativas de cada um em cada situação e como isso afeta, mesmo que você não veja nem perceba imediatamente, quem está ao redor.

Neste últimos 2 meses, esta tem sido a minha vida, ou seja, acompanhar chegadas e partidas e foi inevitável ao longo deste período não me sentir parte de tudo que acontecia ao meu lado. Desde a menina que voltava do intercâmbio e que a família, amigos e namorado esperavam com banner e outros adereços, como um filho abraçando em meio a lágrimas seu pai, mesmo ele dizendo que voltava em apenas dois dias. Creio que é impossível se você possui um coração, que muito mais do que simplesmente bombear sangue, contém sentimentos, não se sensibilizar e até mesmo se emocionar com estas cenas.

Foi curioso também ver a reação daqueles cuja profissão é levar e receber pessoas no aeroporto. Cada um deles com seu papéis com os mais diversos nomes e empresas para as quais trabalham, a espera normalmente de desconhecidos e desprovidos, por isso mesmo, de qualquer emoção a não ser a obrigação e responsabilidade de recebê-los e levá-los ao seu destino. Ainda assim, há sempre um misto de indiferença e ansiedade pela chegada ainda que estes sentimentos sejam opostos.

Da minha parte, mais precisamente no meu caso, posso dizer que é muito triste ter de se despedir, mesmo que seja dizendo um até breve, na certeza de um reencontro próximo. Ainda mais frustrante é estar a espera e saber que o vôo foi cancelado e que terá de aguardar até o dia seguinte, repetindo o mesmo ritual na porta do desembarque, dividindo aquele momento, que parece interminável, como novos rostos e outras histórias.

Porque quando parte alguém que você ama, parece, na verdade, é que parte do seu coração partiu com ela e  isso deixa um imenso vazio no peito. Assim como quando ela regressa,  traz junto a certeza cristalina de que somente quando retorna é que se estará completo novamente.

"
I'm running out of time
I'm out of step and
Closing down
...
And uselessly
Always the need
To feel again the real belief
Of something more than mockery
If only I could
Fill my heart with love
" Closedown - The Cure

quinta-feira, 1 de março de 2012

Simplesmente Recomeçar

"
If I fall along the way
Pick me up and dust me off
If I get too tired to make it
Be my breath so I can walk
...
Shouldn't be so complicated
Just hold me and then
Just hold me again
" Bent - MatchBox 20

Me disseram, em dezembro de 2002, uma frase que eu jamais esqueci e que trago comigo até hoje. Uma amiga querida que foi, na época, secretária da área em que trabalhava me disse, ao saber que que não acompanharia a mudança da empresa para São Paulo: "Aprenda a conduzir a sua vida, não faça como a canção do Zeca Pagodinho que diz Deixa a vida me levar".

Mais do que uma verdadeira lição e conselho de vida, aquela frase me marcou porque realmente estava abdicando de trabalhar numa empresa reconhecida mundialmente, embarcando no mundo incerto de abrir minha empresa e virar consultor. Certamente um universo de medos e questionamentos vieram à tona posto que mergulhar rumo ao desconhecido sempre dá aquele frio na barriga e gera a dúvida sobre suas próprias capacidades e competências.

Antes eu poderia dizer que me sentia seguro e confiante quanto ao meu futuro, muitos disseram, mas agora onde não havia limites para os perigos, frustrações, conquistas e desafios que apareceriam, tudo parecia incerto e duvidoso. Alguns até desdenharam quando sai da empresa achando-me incapaz de trilhar meu caminho sem uma estrutura parruda me suportando e se você olhasse para o momento que o Rio de Janeiro atravessava, possivelmente concordaria com aquelas opiniões.

Minha resposta, como o tempo sabiamente demonstraria, foi dada através do meu trabalho, das minhas realizações, do espaço no mercado que minha empresa ocupou e mais do que isso pelo próprio retorno a empresa que havia saido no final de 2002. Fui convidado por 3 vezes a retornar até que de fato isso viesse a ocorrer em outubro de 2008, viajasse para o outro lado do mundo, mais precisamente na Líbia, onde novos e ainda mais desafiadoras experiências viriam a ocorrer.

Ao decidir recomeçar, ou mesmo quando somos forçados a recomeçar, creio que o primeiro e mais importante passo seja uma reconstrução mental. Esta reconstrução baseia-se sempre em reprogramar o nosso cérebro para evitar as armadilhas que nossa mente normalmente nos prega. É comum, e não raro, que nossa mente nos traga a nossa zona de conforto, seja pelas boas memórias que experimentamos e guardamos, seja pelo conforto e muitas vezes a falsa sensação de segurança que uma situação, mesmo que muito ruim, mas conhecida, nos traz.

Como então lidar com este processo de transformação e porque não dizer de reeducação? Veja, cada pessoa reage, naturalmente, de maneira diferente, mas no final das contas a resposta será a mesma: Um exercício lento e diário de exercitar nosso cérebro e nossa memória de todos os prós e contras que nos levaram a tomar a decisão que tomamos, ou que o destino tomou por nós. Como exemplo pessoal, posso claramente mencionar um término de relacionamento e um posterior reencontro com uma ex-namorada, onde era muito comum e, muitas vezes, inevitável virem à tona os bons momentos que tivemos e aquela pergunta: Por que terminamos? Bem, nosso cérebro, num instinto natural de sobrevivência e autopreservação, filtra e apaga as lembranças ruins e nos remete as boas, cabe portanto, a nós o esforço de ampliar o espectro e sabiamente apontar cada um dos porquês, e acreditem existem vários, que nos levaram a seguir nosso caminho sem aquela pessoa.

Simplesmente recomeçar? Sim, é somente isso. Ninguém disse que será fácil, logo eu não me atreverei a dizer que não existirão intempéries, ninguém também disse que será rápido, mas não podemos nos furtar a tentar. É mais ou menos como aquela citação do Lt. Col. Frank Slade  no filme Perfume de Mulher, em que Al Pacino ganhou o Oscar, que explica e define com perfeição tudo que acabo de abordar: "If you make a mistake and get all tangled up, you just tango on." E o mais importante e legal na vida, é saber que sempre haverá no mundo alguém disposto a nos tirar novamente para dançar.

"
I'm trying to free your mind, Neo.
But I can only show you the door.
You're the one that has to walk through it
" Morpheus - The Matrix

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Valentine's day


"
Remembering you
standing quiet in the rain
as I ran to your heart to be near
and we kissed as the sky fell in holding you close
how I always held close in your fear
....
There was nothing in the world
that I ever wanted more
than to feel you deep in my heart.
" Pictures of You - The Cure

Como todos os anos, nesta mesma data, comemoramos o "Valentine's day". Para muitos dia dos Namorados e para outros dia do amigo. Seja como for, como havia dito, em um dos meus últimos posts, meu mundo já não é mais o mesmo, como a cada amanhecer a vida se renova, repleta de novidades, surpresas e descobertas.

Agora , neste exato momento, estou um oceano distante de onde reside meu coração, de onde está a razão dos meus sorrisos, da minha insônia, de minhas certezas e de todas as incertezas que um amor pode oferecer. Já havia até me esquecido como é ter alguém, que apesar de todas as intempéries que o mundo nos impõe, faz todos os dias, sem exceção, seu coração sorrir.

Realmente tudo está modificado, para melhor é claro, há quase 1 ano atrás estava embarcando para a Croácia para dias depois ser surpreendindo com uma evacuação da Líbia que viria a ocorrer em 24/02 (parece que foi ontem). Meu destino, ou seja,  aquilo que construimos adicionado com o que a vida, através do seu balé cósmico nos reserva, girou 180 graus me fazendo rever todos conceitos, valores e expectativas.

Óbvio que não perdi o controle sobre meus objetivos, só me ajustei, como diariamente a vida nos faz decidir, direta ou indiretamente, é claro. Mas meu caminho é um só e isso só fez com que experimentasse novas estradas, novos caminhos, novos mares revoltos e bravios, até onde me coração e meus sentidos encontrassem um porto seguro. E como sempre, a vida aponta para onde marcha seu destino, pois no lugar e momento mais improváveis é que isso ocorreu, ou seja, em plena virada de ano, onde se define, pelo menos assim acredito, como será nosso próximo ciclo: Renovado ou apenas uma sequência da rotina do dia a dia. Felizmente, para mim, meu ano está fadado a se renovar....

Logo, logo, estarei de volta, eu sei e espero que entenda que nossos planejamentos, às vezes, não ocorrem da forma com a qual gostariamos. Mas de fato, apesar de toda licença poética já utilizada ao longo deste texto, quero que saiba que não está distante em realidade. Há em meu coração um pequeno relicário, aquele pequeno lugar onde renovo meus votos a cada manhã. Você está em minha vida, meus pensamentos e até mesmo meus textos, basta só prestar atenção....

"
Sometimes you make me feel
Like I'm living at the edge of the world
Like I'm living at the edge of the world
"It's just the way I smile"
You said
" Plainsong - The Cure

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O estranho mundo das coisas


" 
Dar solamente, aquello que te sobra
Nunca fue compartir, sino dar limosna amor
Si no lo sabes tú, te lo digo yo" Corazon Partio - Alejandro Sanz

Outro dia me perguntaram: Por que mesmo sendo uma pessoa boa que faz tudo pelo seu parceiro(a), é trabalhador(a), esforçado(a), de boa familia, não é bem tratado(a) e ainda é traído(o)? Apesar de não querer fazer do meu blog um consultório amoroso gostaria hoje de elaborar este tema e propor, longe de mim ser dono da verdade, algumas hipóteses que explicam este fenômeno.

Para começar vou citar um diálogo do filme os imperdoáveis com Clint Eastwood:

Little Bill Daggett: I don't deserve this... to die like this. I was building a house.
Will Munny: Deserve's got nothin' to do with it.
[aims gun]
Little Bill Daggett: I'll see you in hell, William Munny.
Will Munny: Yeah. 

Por mais cruel que seja ou prático se você preferir, a resposta a pergunta que me fizeram é simples: Merecer não tem nada a ver com isso. O fato reside na realidade de que as pessoas valorizam de forma diferente as coisas e fora isso, existem ainda os fantamas que tentamos exorcizar ao longo de nossas vidas.

Certas pessoas clamam que querem uma pessoa exatamente como a descrita acima e quando a encontram simplesmente não valorizam como deveria. Isso é fácil de entender, o ser humano é complexo e na maioria das vezes não sabe o que quer. Se soubesse ao menos o que não quer, já facilitaria muito sua própria vida.

Mas se a vida fosse fácil e tudo fizesse perfeito sentido este blogueiro não teria mais função, eu imagino. Creio que o conflito que hoje abordo possui na verdade uma culpa recícproca dos parceiros, pois veja, poucas coisas na vida, pelo menos em termos de relacionamento, acontecem sem nosso consentimento.

Weber, um famoso sociólogo, já afirmava que numa relação de dominação, existe sempre duas figuras, o Dominador e o Dominado, e que sem o consentimento de ambos, torna-se impossível que esta relação se estabeleça. Portanto, a resposta precisa não pode ser dada a não ser pela mesma pessoa que levantou a pergunta.

O fato de uma coisa não fazer nenhum sentido e funcionar ou simplesmente fazer todo sentido e não acontecer é o que torna, no entanto, a vida tão desafiadora e interessante. Quando escolhi o nome deste blog, apesar de não ter exatamente isso em mente, foi no fundo neste sentido, porque é a ilógica lógica da vida, a incerteza de que as coisas saiam exatamente como planejamos é que nos motiva buscar crescer, viver e experimentar. Pior do que sofrer é olhar para trás no fim da vida e perceber que não viveu.

"
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão 

nunca vai ter nada, não" Como dizia o poeta - Vinicius de Moraes

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Free, Free, set them Free


If you need somebody, call my name
 If  want someone, you can do the same
 If you want keep something precious,
 you got lock it up and throw  away the key
 If you want to hold onto your possession,
 don’t even think about me

 If love somebody, if you love someone
 If love somebody, if you love someone set them free”  Sting

Alguns textos parecem que nascem prontos. Este fim de semana estava ouvindo o Nando Reis falar exatamente sobre isso quando explicava como compôs a música Resposta com Samuel Rosa do Skank.

Nando explicava que ao receber a melodia estava empacado criativamente e ao ouvir os arranjos compôs a letra quase que imediatamente como se já estivesse pronta. O post de hoje tem duas citações especiais, a primeira acima uma canção do Sting que eu adoro. Aliás desde seu trabalho no The Police que acompanho cada um de seus CDs e continuo a gostar dele como no início de sua carreira.

O segundo é uma citação do John Lennon que minha mãe mandou. Ao lê-la, ela se lembrou que gosto de compor cada post com uma ou mais citações que contextualizam a mensagem que desejo passar. No caso de hoje, uma completa a outra mantendo-se em perfeita harmonia.

 A vida nos reserva gratas surpresas e quando nós menos esperamos elas nos arrebatam, sacodem nosso mundo e modificam a forma com qual enxergamos as coisas. Alguns fenômenos se conjugam e transformam o que somos, o que sentimos e percebemos.

Meu mundo já não é o mesmo. Desde as última horas que encerravam o ano que se passou até as primeira horas do ano que se iniciava tudo estava mudado. Cheiros, gostos e percepções, tudo estava renovado e completamente determinado a jamais ser igual novamente. E isso é bom, adoro o novo e o desafio de desbravar o que está por vir, acho que todos nós deveriamos ser assim.... Feliz 2012.

Como um sonho que se materializa
De forma lenta e  sorrateira até
Você adentrou a minha vida

Arrebatando todos os meus sentidos
Trazendo um sentimento de torpor que me acalma
Como se desse um norte ao meu coração
Como um sopro de alegria em minha alma 

Rompendo mares, rios e oceanos
Desbravando novos horizontes em busca do desconhecido
Como se fora um aventureiro, sem destino
À procura de novas terras ou apenas novos desafios

Organizou meu pensamentos
Trouxe à tona novos sentimentos
Despertando também outros, há muito adormecidos

Ligou nossos mundos, conectou nossas almas
Como numa dança lenta no meio do salão
Como se só existissemos nós dois e nada mais importasse
Somente a batida rítmica e harmônica de nossos corações.

São Paulo 09/01/2012

"
Amo a Liberdade 
Por isso... deixo as coisas que eu amo livres
Se elas voltarem é porque as conquistei.
Se não voltarem é porque nunca as tive" Jonh Lennon