segunda-feira, 27 de junho de 2011

Entrelinhas ou entre linhas ?



"
Una palabra no dice nada
Y al mismo tiempo lo esconde todo
Igual que el viento que esconde el agua
Como las flores que esconde el lodo
. " Una Palabra - Carlos Varela

Aparentemente de férias e afastado de minha rotina de blogueiro fui brindado com a idéia do meu post. Estive em Buenos Aires nos últimos 4 dias e posso dizer que como sempre foi um presente poder viajar e conhecer ou revisitar lugares que são, além de agradáveis, cheios de história e atrações.

Tive também a grata oportunidade de reencontrar uma grande amigo que fiz na minha temporada na Líbia, Diego Hernandez. Nosso encontro não foi exatamente da forma que imaginamos, por imprevistos planejados pelo destino que certamente me querem de volta àquela terra, mas sem dúvida alguma foi muito bom revê-lo por mais breve que tenha sido.

Além de talentoso e brilhante, é uma pessoa divertida, extremamente agradável, um verdadeiro cavalheiro. Ele me conduziu ao aeroporto de Ezeiza  e durante o período que estivemos juntos recordamos nossos momentos de colegas de quarto e pares. Engraçado como não se apaga a cumplicidade que se cria quando temos valores em comum. Faltou apenas fumarmos um maduro da cohiba com uma boa dose de whisky mas essa fica para a próxima, está apenas adiado.

Ao mesmo tempo acessando meus e-mails me deparei com um questionamento sobre aquilo que se percebe apenas nas entrelinhas e sobre o que é mensurável. Não emiti opinião no inflamado debate porque muitas vezes ser observador é muito melhor do que ser agente.

Mas agora, retomando as minhas funções posso dizer seguramente que mais importante do que as duas palavras, entrelinhas e mensurável, preciso me posicionar e falar da forma com a qual vejo e entendo seus significados , importâncias e relevâncias.

Quando me falam do mensurável, sempre penso, na verdade, no intangível. Além de achar mais relevante, penso que reside ai a exata medida de valor. O intangível é tudo aquilo que agregamos em nós, nos outros, naquilo que fazemos e no que produzimos muitas vezes como fruto de nosso trabalho, de forma muito mais intensa, intuitiva e de caráter permanente.

E o mensurável apesar de permitir aferir com mais facilidade resultados, seja através de números, seja através de meros indicadores ou métricas, me parece ser uma medida superficial e imediata de valor. O intangível, normalmente, é muito mais duradouro mas como exige sensibilidade e muitas vezes a capacidade de ler além dos simples fatos, acaba por passar despercebido aos olhos menos aguçados ou treinados.

Se você se propuser ser cartesiano ou pragmático, muito facilmente você ficará com o mensurável, campo seguro que nos rodeia, mas se ao contrário, se se permitir explorar o que há de melhor e com isso se aprofundar na real potencialidade das pessoas, perceberá que há muito mais a captar em outras formas de leitura.

Se me perguntarem sobre em que devemos focar, se é no processo ou nas pessoas, lhe direi, sem titubear, que será nas pessoas. Os processos são criados, sobre dadas condições e circunstâncias, por pessoas e para pessoas, o que invariavelmente, se você observar, nos remete ao mesmo ponto de partida.

O foco é, portanto, ter as pessoas certas e com elas adequar os processos às realidades de cada lugar e cenário. O tempo e as condições para fazê-lo não devem ser ignorados ou tratados de forma leviana, muito pelo contrário, quanto mais adverso e inóspito for o cenário mais importante se torna valorar corretamente o trabalho realizado.

Outro fator, somente para arrematar o tema, é que a interrupção de um processo de maneira abrupta não pode, nem deve, turvar o senso de julgamento e valor do que se foi construído ou do que estava em construção e teve de ser interrompido, principalmente no que tange aos laços de confiança, cumplicidade e parceria.  Não fosse assim, deveriamos também, como profissionais, ser tão pragmáticos ou cartesianos  em nossas escolhas.

E é por isso que creio que somos melhores do que máquinas, por termos o aspecto emocional e a capacidade de reiventar e isso só me reforçar porque devemos focar sempre nas pessoas.

"
Una mirada no dice nada
Y al mismo tiempo lo dice todo
Como la lluvia sobre tu cara
O el viejo mapa de algún tesoro."
Una Palabra - Carlos Varela

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário